Saúde

Estou lavando muito as mãos ou desenvolvendo algum distúrbio?

Foto: PIXABAY

Vivemos um momento inusitado e inédito com a pandemia, onde a ocorrência do medo, do estresse, da angústia e do pânico tornam-se reais diante de um inimigo invisível. Neste sentido, as pessoas que sofrem com o Transtorno Obsessivo Compulsivo – TOC -, podem ter seu quadro psíquico agravado em função do isolamento social.

O novo coronavírus pode reforçar esse comportamento por ser um estímulo externo que alimenta a instabilidade do portador da doença. Essa piora é individualizada e vai se manifestar em cada pessoa de uma maneira. Mas o transtorno pode se potencializar, se já existir uma tendência compulsiva e exagerada na lavagem das mãos ou no excesso de limpeza.

TOC é uma disfunção psicológica associada a um “conjunto de manias” que apresenta compulsões e repetições nos hábitos executados, de forma involuntária e que trazem prejuízos funcionais no cumprimento das tarefas cotidianas. A pessoa passa a criar rituais, desenvolvendo em sua mente preocupações excessivas, pensamentos impróprios e distorcidos – com conteúdos obsessivos e dúvidas constantes -, além de demonstrar uma alternância emocional pautada por desconforto, aflições, sentimento de culpa, medo e até comportamentos depressivos.

Esses rituais compulsivos podem ser desenvolvidos no campo da higienização pessoal e do lar, na organização em geral, na simetria ou no colecionismo, variando de intensidade ao longo da evolução da doença.  Se já houve a definição do diagnóstico de TOC e a pessoa realiza acompanhamento com profissional de saúde mental, é muito importante não abandonar o tratamento e não se auto medicar. A falta de controle dos sintomas pode agravar a condição deste quadro. 

Mas se a preocupação com a higiene e limpeza não passa de uma elevação dos cuidados e precauções, no sentido de cumprir as orientações em decorrência da pandemia e que, apesar das mudanças necessárias de rotina, não houve abalo ou prejuízos na realização das atividades normais, certamente não é um caso de TOC. Lavar as mãos a todo momento, utilizar álcool em gel, usar máscaras, higienizar objetos, produtos e alimentos fazem parte das recomendações dos órgãos competentes para eliminarmos os riscos de contaminação pelo vírus, nos mantendo protegidos e protegendo a quem amamos.

Ou seja, preocupações normais dentro do cenário ao qual temos que conviver, desde a descoberta da pandemia, e que são atos prudentes que fazem parte de nosso instinto de sobrevivência e defesa. Não podemos descuidar. Isso não irá provocar um Transtorno Obsessivo Compulsivo.  O mais importante é encarar esse processo e as novas mudanças de hábitos de forma consciente, considerando um ritual necessário e preventivo, sem transformá-lo numa neurose paranoica, agravada por medos irracionais e obsessivos. Assim, eliminamos qualquer indício de ansiedade, de sentimentos negativos ou de alteração de humor frequente.

A preocupação excessiva com a desinfecção só será considerada um transtorno se estiver associada ao sofrimento com alterações de comportamento, pensamento e emoções – gerando também uma desestrutura emocional, comprometendo o equilíbrio e podendo até desencadear uma fragilidade do sistema imunológico. Portanto, para manter a sua saúde mental e o organismo equilibrados – agora ou até mesmo quando o isolamento social terminar -, mantenha conscientemente a calma, objetivando eliminar o pânico e o medo. Siga as orientações de cuidado e prevenção, evitando os riscos de contágio. Lembrando que os sofrimentos emocionais podem ser desencadeados por gatilhos de ansiedade e nervosismos alimentados em nossa mente.

Busque meios de amenizar esses gatilhos, selecionando os conteúdos informativos, evitando alimentar o desespero e realizando atividades prazerosas que transmitam bem estar, sem violar as recomendações de proteção que devemos seguir de forma cautelosa. Não ceda ao pavor mental e aprenda a controlar suas emoções e seus sentimentos. 

Artigo por: Dra. Andréa Ladislau – Doutora em Psicanálise; Membro da Academia Fluminense de Letras; Administradora Hospitalar e Gestão em Saúde; Pós Graduada em Psicopedagogia e Inclusão Social; Professora na Graduação em Psicanálise; Embaixadora e Diplomata In The World Academy of Human Sciences USAmbassador In Niterói. Membro do Conselho de Comissão de Ética e Acompanhamento Profissional do Instituto Miesperanza; Professora Associada no Instituto Universitário de Pesquisa em Psicanálise da Universidade Católica de Sanctae Mariae do Congo; Professora Associada do Departamento de Psicanálise du SaintPeter and Saint Paul Lutheran Institute au Canada, situado em souhaites.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: