Oceanos, um enorme coração azul5 min read

Tempo de leitura: 4 Minutes
Foto Matt Sharp / Reprodução

Os oceanos são extremamente importantes para a manutenção da vida no planeta terra. Eles cobrem mais de 70% da superfície da Terra e contêm 97% de toda a água do planeta. Eles influenciam o clima e as condições meteorológicas, estabilizam a temperatura, moldam a química terrestre e providenciam um lar para a maior diversidade de espécies do planeta.

“Cada molécula de oxigénio que respiramos, cada gota de água que bebemos, cada alimento que ingerimos, liga-nos ao oceano, quer vivamos numa zona costeira ou no mais remoto e inóspito ponto interior do globo. Estamos unidos a ele.”

-Revista My Planet.

Deveria ser consciente e ativa, a vinculação das idéias de proteção e preservação em relação aos Oceanos, a vida marinha, meio ambiente e ao universo como um todo, mas como sabemos, não é bem assim que acontece.

Foto Matt Sharp / Reprodução

No início do século XX, podemos perceber de forma significativa, os que os anos de exploração desfreada ocasionou no nosso ecossistema. Os oceanos entupidos com milhões de toneladas de plástico, a poluição crescente, uma produção alarmante de lixo, associada as pesca industrial, prejudica sistemas valiosos, como o ciclo da água, do carbono, do oxigênio, os pilares base da vida.

No início do século XX, podemos perceber de forma significativa, os que os anos de exploração desfreada ocasionou no nosso ecossistema. Os oceanos entupidos com milhões de toneladas de plástico, a poluição crescente, uma produção alarmante de lixo, associada as pesca industrial, prejudica sistemas valiosos, como o ciclo da água, do carbono, do oxigênio, os pilares base da vida.

Foto Matt Sharp / Reprodução

Oceanographic é uma revista bimestral sobre o estilo de vida marinho com foco na conservação, exploração e aventura dos oceanos. E a foto vencedora na categoria de Conservação pertence a Matt Sharp e mostra-nos um garanguejo a debater-se por entre o lixo nas Maldivas.

Foto Matt Sharp/ Reprodução

Para entender um pouco sobre o trabalho dele, o convidei para uma conversa.

Para começar com Matt, conte-nos um pouco sobre você.  E como você escolheu seu trabalho.

Sou fotógrafo comercial e de conservação baseado em Jersey, Reino Unido.  Minhas paixões são os oceanos e as montanhas!  Passo o máximo do meu tempo livre na água, fotografando, surfando ou mergulhando.  Tornei-me fotógrafo em tempo integral há cerca de 4 anos, alternando isso com um trabalho de inverno como instrutor de esqui na França.

 • Como foi ser o fotógrafo de conservação do oceano do ano?

Foi uma ótima experiência! Conseguir a imagem na frente do painel de jurados foi incrível, pois tem alguns dos meus ídolos como Paul Nicklen.  O bônus fantástico de competições como essa é que elas permitem que imagens poderosas com uma mensagem sejam apresentadas a um público muito maior do que o normal e, portanto, talvez influenciem a percepção das pessoas para melhor.

 • Como você define o impacto do seu trabalho no mundo?

Eu sempre acho que se alguma de minhas imagens levar uma pessoa a pensar sobre o impacto que estamos tendo neste planeta e como podemos desafiar esses problemas, então foi um sucesso!  É sobre reavaliar como podemos nos reconectar com o mundo, já que nos tornamos tão desconectados dele.

 • As marcas deixadas pelo homem no meio ambiente são nítidas e tristes, como você acha que poderíamos mudar isso?

É um problema difícil de resolver sem uma resolução fácil. Reduzir lentamente a população e reconstituir grandes áreas do planeta são planos de longo prazo. Tentar reduzir nossa dependência de combustíveis fósseis e itens de uso único, comer menos carne, ver de onde vêm nossos alimentos e comprar produtos locais mais sustentáveis ​​são coisas boas a curto prazo que podemos fazer.  Mas, na verdade, trata-se de nos reconectarmos com nossas fontes de alimentos e com o meio ambiente em geral para compreender os impactos horrendos que estamos tendo em uma escala global.

 • Na nossa época, a informação rápida é uma constante e as redes sociais estão em ascensão, muitas das quais acedidas por jovens.  Que mensagem você deixaria para os jovens de hoje?

 Reconecte.  Observe o que está no ambiente ao seu redor.  Todos nós podemos fazer a diferença!

A resposta não consiste apenas em consertar o que está quebrado; é nutrir o que há de melhor no nosso planeta, é conservar o que já existe, se aprofundar nas causas atuais e como podemos fazer para ajudar. Seja auxiliando como voluntários na limpeza das praias de nossas cidades, seja produzindo menos lixo, ou ensinando nossas crianças a não poluir, ou indo mais fundo, mergulhando e fotografando nossa natureza, e através das imagens contar suas histórias poderosas e silenciosas. Como Matt disse, todos podemos fazer a diferença.

“O que fazemos ao oceano, fazemos a nós mesmos.”

Sylvia Alice Earle. Bióloga marinha, exploradora, autora e palestrante estadunidense.

Foto Matt Sharp / Reprodução

Forte abraço!

1 comentário

  1. Matéria muito fantástica, é ainda com perguntas muito boas.
    Tomara que nós vejamos essas perguntas é pergunte a nos mesmos oque nós estamos fazendo para o nosso planeta! Assunto surpreendente!!

    Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *